Notícias

Corretores devem repensar suas relações com insurtechs


Fonte: C Q C S


Novas tecnologias em qualquer setor, especialmente no mercado de seguros, podem gerar expectativas, otimismo, e receio do impacto que podem ter no trabalho do Corretor. Em entrevista ao CQCS, Samy Hazan, consultor em Inovação e professor da Escola de Negócios de Seguros (ENS), revelou por que os Corretores devem trabalhar com insurtechs e quais as vantagens disso, além de destacar o trabalho dos profissionais de seguros com o processo de digitalização.

Hazan contou que a digitalização acelerou significativamente no último ano, colocando ainda mais ritmo a uma indústria de seguros que já estava se transformando digitalmente. Algumas insurtechs seguiram na venda direta ao cliente com uma abordagem digital para atrair consumidores mais jovens, enquanto outras estão aplicando ciência de dados avançadas e técnicas de inteligência artificial para criar eficiências no setor em geral.

De acordo com o consultor, para o futuro da indústria de seguros, o poder e a grande fonte de geração de valor estão na combinação entre os melhores atributos dos Corretores de Seguros, que têm como principal ativo o vínculo e a confiança dos consumidores com as empresas movidas a tecnologia, ou seja, as insurtechs. Os Corretores devem repensar sua relação com as insurtechs e aproveitá-la para fazer seu trabalho melhor, ao mesmo tempo que se mantêm focados nos elementos mais humanos do seguro - transmitindo o know-how da indústria e gerando maior valor e serviços aos seus clientes.

“Existem com certeza muitas sinergias a serem exploradas entre os corretores de seguros e as insurtechs ansiosas por gerar escala e grandes volumes de vendas. É importante que um elemento do toque humano faça parte da fórmula”, destacou Hazan.

Por fim, o especialista contou que a tecnologia certamente pode ajudar a tornar a jornada do cliente mais leve e assertiva. “Os Corretores de Seguros estão aqui para ficar porque já demonstraram ser o canal mais eficiente em termos de geração de escala na distribuição de todos os tipos de seguros”, finalizou.


« Voltar